Em meio à polêmica de assédio sexual, CEO da Activision Blizzard recebe US$ 155 milhões

A Activision Blizzard definiu um dos possíveis caminhos para lidar com o processo trabalhista que enfrenta por conta de várias denúncias envolvendo assédio sexual e moral. A desenvolvedora de games revelou que pretende reservar US$ 18 milhões para “compensar e fazer as pazes” com as pessoas atingidas e que sofreram discriminações de qualquer tipo. Há quem diga, porém, que o valor possa ser considerado insuficiente.

De acordo com o site Eurogamer, a Activision Blizzard é uma empresa que arrecada bilhões todos os anos, graças aos principais jogos, como ‘Diablo’ e ‘Overwatch’.

Em 2020, por exemplo, a companhia revelou lucro de US$ 8,1 bilhões, enquanto somente o CEO Bobby Kotick levou sozinho US$ 155 milhões como pagamento pelo sucesso. O gigante salário foi aprovado pelos acionistas da marca no fim do segundo trimestre de 2021 – época, vale ressaltar, que toda a polêmica já havia “estourado” na mídia.

A decisão de reservar o valor ocorreu a partir de um acordo entre a Activision Blizzard e a organização Comissão de Oportunidades de Emprego e Igualdade dos EUA, que está investigando e cuidando do caso, em busca de justiça para os funcionários. De acordo com o anúncio oficial, o que sobrar desta reserva de US$ 18 milhões não vai retornar para a empresa, mas sim será destinada a doações para instituições de caridade selecionadas, supostamente.

As instituições selecionadas, inclusive, terão envolvimento em trabalhos que buscam igualdade de pagamento para mulheres na indústria de games e que buscam melhorar a diversidade, a igualdade e os esforços de inclusão para todos.

“Não há lugar em nossa empresa para discriminação, assédio ou tratamento desigual de qualquer tipo, e sou grato às funcionárias que corajosamente compartilharam suas experiências”, disse no comunicado Kotick. “Eu lamento profundamente por qualquer uma que teve que experimentar uma conduta inadequada, e permaneço inabalável em meu compromisso de tornar a empresa um dos locais de trabalho mais inclusivos, respeitados e respeitosos do mundo”.

O acordo de US$ 18 milhões, no entanto, ainda não está confirmado, visto que está sujeito à aprovação da Justiça.

Mais promessas da Activision Blizzard

Além do pagamento de US$ 18 milhões, a Activision Blizzard disse que está comprometida com os seguintes objetivos:

“Atualizar políticas, práticas e treinamento para prevenir e eliminar ainda mais o assédio e a discriminação em seus locais de trabalho, incluindo a implementação de um sistema de avaliação de desempenho expandido com um novo enfoque de igualdade de oportunidades”;

“Fornecer supervisão e revisão contínuas dos programas de treinamento da Empresa, políticas de investigação, estrutura disciplinar e conformidade, nomeando um consultor terceirizado para a criação de oportunidades iguais, cujas conclusões serão regularmente relatadas ao nosso Conselho de Administração, bem como à Comissão”

O acordo da Activision Blizzard com a Comissão de Oportunidades de Emprego e Igualdade será válido por três anos a partir do início, ainda sem data definida. Os termos completos do acordo podem ser encontrados no site oficial da desenvolvedora.

O caso contra a Activision Blizzard começou no início de 2021, quando o Departamento de Trabalho e Moradia Justa da Califórnia (DFEH, na sigla em inglês) processou a empresa por assédio sexual e discriminação contra mulheres. O estado atualizou o processo no final de agosto, acusando a empresa de fragmentar evidências relacionadas à investigação.

A Activision Blizzard também está enfrentando várias outras investigações em relação aos mesmos temas. Em meio ao caos judicial, o presidente da empresa, J. Allen Brack, e o nome à frente ‘Overwatch 2’, Chacko Sonny, pediram demissão alegando “busca por novas oportunidades”.

Olhar Digital

Lucas Gomes

Olá, meu nome é Lucas Gomes, sou criador de conteúdo e redator.

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem