Um artista japonês busca erradicar a censura ao mosaico na pornografia dos animes

Por meio de sua conta no Twitter, o ilustrador erótico japonês Tutakazura ( @ zassyu2_ero ) postou uma atualização sobre sua recente luta contra a censura genital em ilustrações hentai e na indústria pornográfica no Japão. Sua postagem afirmava:

“Não quero dizer às gerações futuras que“ o mangá erótico nunca mostrou genitália ”. Como não quero que isso continue, levei minha proposta ao tribunal e trabalhei duro. No entanto, agora estou muito cansado e quase tenho a sensação de "Sinto muito, fiz tudo o que pude, mas não consegui." No entanto, vou continuar a lutar para remover a censura do mosaico de nossa amada indústria.


Na verdade, a Comissão de Comércio do Japão e a Federação das Associações de Advogados do Japão foram contatadas diretamente para atender ao pedido do artista, e ele está atualmente aguardando uma resposta. Por outro lado, o autor relatou que a Japan Manga Artists Association retirou seu apoio à moção.

Por fim, o artista tem feito diversas atualizações em seu processo judicial para que seu pedido seja ouvido, porém, em diversas ocasiões, recebeu recusa de diferentes organizações civis, destacando-se a Associação dos Artistas de Mangá que, nas palavras do artista, "Deixou os autores entregues ao seu destino."

Vale ressaltar que a censura no Japão é regulamentada pelo artigo 175 do Código Penal do Japão, no catálogo referente à pornografia. Enquanto o artigo 21 da Constituição do Japão estabelece a liberdade de expressão e proíbe a censura (algo que o artista usa como argumento), o Código Penal ainda estabelece a censura no referido artigo. Historicamente, a lei foi interpretada de maneiras diferentes, e até hoje é interpretada como que qualquer meio pornográfico deve censurar parcialmente seu conteúdo, embora tenha havido muito poucas prisões por isso.

Censura

Censura

Em janeiro de 2004, os autores Yuuji Suwa , Motonori Kishi e Koushi Takada foram presos por produzir e distribuir uma antologia de mangá hentai intitulada Misshitsu., na primeira ação judicial relacionada a essa lei no Japão em décadas. A polícia relatou que as representações de "cenas de genitália e relações sexuais" dentro do mangá foram "desenhadas de forma detalhada e realista" e que as barras de censura destinadas a esconder a genitália e a penetração sexual eram "menos conservadoras" de o de costume. Suwa e Takada se confessaram culpados e foram multados em 500.000 ienes cada um, enquanto Kishi também recebeu uma sentença de prisão suspensa de um ano. No entanto, depois de apelar da sentença, Kishi viu sua multa aumentar para 1,5 milhão de ienes no tribunal.

O apelo foi feito ao Supremo Tribunal do Japão, argumentando que o artigo 175 do Código Penal violava sua liberdade de expressão. Em 2007, a Suprema Corte ainda manteve o veredicto de culpado, concluindo que o trabalho de Misshitsu satisfez todos os três testes de obscenidade e, portanto, estava sujeito a restrições. Após esses eventos, várias livrarias varejistas no Japão removeram sua seção para adultos.

 

Fonte: Acesse Aqui! 

Vicente Neto

Sou redator de notícias do site. Estudante de Sistema de Informação pela a UFC, curte animes, mangás e games desde os 15 anos, meu primeiro anime foi Sword Art Online. Sou programado e nas horas vagas design gráfico e editor de vídeos. facebook instagram twitter linkedin

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem